Obesidade Infantil

obesidade infantil

Estima-se que 10% das crianças, ou pelo menos 155 milhões de jovens, estão com sobrepeso ou obesos. É mais graves no continente americano, onde a prevalência de crianças obesas entre 5 e 17 anos é de cerca de 10% e mais de 30% apresentam excesso de peso. Dez por cento a 20% das crianças no norte da Europa têm prevalência de excesso de peso e, antes um problema de saúde para o mundo industrializado, agora está se espalhando para os países em desenvolvimento. Pediatra em São Caetano

Junto com o aumento da obesidade infantil estamos começando a ver uma epidemia de início na idade adulta, ou diabetes tipo 2, em crianças de 9 a 12 anos. Se essa criança desenvolver diabetes antes dos 14 anos de idade, ela estará encurtando sua expectativa de vida em 17 a 27 anos. Este atingiu um estado tal que esta pode ser a primeira geração em que os pais sobrevivem aos filhos.

As crianças não vão mais para a escola nem vão de bicicleta para a escola; eles estão sendo carregados para a escola ou eles próprios dirigindo. Endocrinologista Florianopolis

As crianças passam de 25 a 35 horas por semana assistindo televisão, jogando videogame ou sentadas em frente ao computador.

Esta é a geração do fast-food, com cerca de 49 milhões de americanos comendo em restaurantes de fast-food diariamente. Procure um médico pediatra, de preferencia, especialista em nutrição.

Portanto, a questão é: meu filho é obeso? Para adultos, usamos o índice de massa corporal, que é o seu peso em libras multiplicado por 703, dividido pela altura e polegadas ao quadrado. Em adultos, um índice de massa corporal de 18 a 25 é o peso normal, 25 a 30 está acima do peso e acima de 30 é obeso. Hoje temos uma estimativa de 64,5% de adultos com sobrepeso, dos quais cerca de 31% são obesos. As projeções são para o ano de 2010 mais de 50% dos adultos americanos serão considerados obesos.

Com crianças, usamos a mesma fórmula para determinar o índice de massa corporal. Consideramos uma criança obesa se ela estiver acima do percentil 95. Isso varia em meninos de 2 a 10 anos de idade de 19 a 22 IMC. Nas meninas, é um IMC de 19 a 23. De 12 a 20 anos de idade em meninos, é de 24 a 30. Para meninas, é de 25 a 31 anos.

Infelizmente, a maioria dos adultos não considera seus filhos obesos. Estudos divulgados em Londres mostram que os pais estão tão acostumados a ver crianças com sobrepeso que muitos não percebem quando seus próprios filhos são obesos. Um terço das mães e 57% dos pais realmente viam seus filhos obesos como tendo peso normal. Trezentas crianças de 7 anos e seus pais foram questionadas sobre sua percepção do tamanho corporal. Um terço das mães e metade dos pais com sobrepeso ou obesidade se classificaram como “quase certos”. Quando a criança tinha peso normal de acordo com o IMC, a maioria dos pais, independentemente do tamanho, sabia que não havia problema, mas quando a criança estava acima do peso, apenas um quarto dos pais sabia, e quando os filhos estavam obesos, 40% dos pais não se preocupavam com o peso do filho.

O que você pode fazer para melhorar a situação de seus filhos? Em primeiro lugar, perceba que os alimentos da infância influenciam a saúde ao longo da vida. A altura nos primeiros cinco anos é baseada na genética e nutrição. A saúde dos ossos e dentes é desenvolvida na adolescência. O peso, o número e o tamanho das células de gordura que uma criança tem antes dos 6 anos de idade são determinados para toda a vida, portanto, uma criança gorda normalmente se torna um adulto gordo. As preferências alimentares e os hábitos alimentares são formados na infância. Você também pode procurar um Endocrinologista Pediatra Taguatinga

obesidade infantil

Recomendações:

  • Reduza o consumo de sucos e bebidas com alto teor de açúcar;
  • Crianças ativas têm maior probabilidade de ter peso saudável e menos probabilidade de serem adultos acima do peso. A densidade óssea desenvolvida em uma menina desde o nascimento até os 25 anos de idade determinará principalmente se ela terá osteoporose na idade adulta. Os pais devem inscrever os filhos em equipes e atividades e fazer planos para que possam estar com os amigos nos esportes;
  • Não comer enquanto assiste TV. Em um estudo, os telespectadores ganharam índice de massa corporal e circunferência da cintura, e as crianças que assistem menos TV comeram menos alimentos gordurosos. Em junho de 2002, a Academia Americana de Pediatria fez as seguintes recomendações: Duas horas é um limite seguro para TV; mais de duas horas aumenta o risco de ganho de peso. Crianças que assistem mais de três horas de TV têm 39% mais gordura corporal do que crianças que têm uma média de quase duas horas. Endocrinologista Brasilia

É fácil dizer para cortar o consumo de sucos e bebidas com alto teor de açúcar, mas as crianças parecem sentir o gosto por eles muito cedo na vida! O que nós pais devemos fazer?

As crianças gostam naturalmente de alimentos doces e salgados. Eles rejeitam o desconhecido, o desconhecido. “Pode ser bom para mim, mas se o gosto não estiver bom, não vou comê-lo”, é a atitude da maioria das crianças. Use uma abordagem discreta. As crianças querem o que a mãe e o pai estão comendo. Não comam fast food. Dê um bom exemplo. Coloque refeições balanceadas na mesa e ofereça alimentos 15 vezes, não apenas duas ou três. Controle a comida na casa; embalar a geladeira e a despensa com opções saudáveis. Mantenha os alimentos indesejáveis ​​fora de casa; restringir os alimentos leva a pensar “É melhor comê-lo agora, é minha única chance”.

Esse post Obesidade Infantil apareceu originalmente em Marketing Médico MED-BR

Leave a comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *